Você já ouviu falar em gamificação nas empresas?

Observe as pessoas jogando no celular. Você já percebeu como elas ficam envolvidas e concentradas na experiência de buscar pontos, prêmios e vitórias?

Pois é. Estudos comprovam que jogar é muito mais que um simples passatempo e pura diversão.

Sabia que essa atividade pode desenvolver, de forma significativa, o potencial de aprendizagem e aprimorar o nosso senso de cooperação?

Estudos, como os do designer e teórico de jogos norte-americano James Portnow, apontam que, ao jogar, aprendemos sem perceber a intenção atrelada àquela atividade.

Quando o jogo nos traz um desafio, desenvolvemos também a autonomia no processo de aprendizagem, já que ampliamos o interesse por determinado assunto e fazemos novas buscas, pesquisas e descobertas.

Resumindo, a atividade de jogar pode promover situações para o desenvolvimento significativo e contextualizado.

Você já havia pensado no potencial de aprendizagem e aprimoramento por meio de experiências gamificadas desta forma?

Gamificação* é o uso de mecânica, ideias e estética de jogos para engajar pessoas, motivar ações, promover o aprendizado e solucionar problemas.

Por isso, os games têm assumido diferentes funções: educativas, comerciais e sociais, gerando mais engajamento, sociabilização e motivação.  

A área de seleção e treinamento das empresas perceberam o potencial dos jogos a partir de uma constatação.  

Se durante um jogo as pessoas são capazes de dedicar tempo, criatividade, esforço e atenção para cumprir objetivos propostos, imagine toda essa energia aplicada para resolver problemas do mundo real?

O processo de fazer treinamentos em formato de jogos tornou possível montar programas bem mais eficientes e com resultados mais rápidos.  

Por que usar gamificação nas empresas? Conheça 6 razões para o uso de jogos na aprendizagem

 

Gamificação nas empresas: treinamentos em formato de jogos são cada vez mais comuns. Gamificação nas empresas: treinamentos em formato de jogos são cada vez mais comuns. 

 

 

 

1. Garantia de engajamento e motivação

Gamificação nas empresas: componente motivacional nos treinamentos.Gamificação nas empresas: componente motivacional nos treinamentos.

Para que os resultados de um treinamento sejam efetivos, não basta um excelente conteúdo: é fundamental que os participantes estejam realmente motivados ao aprendizado.

Existem dois tipos de motivação a serem exploradas nesse processo: a interna e a externa.

Na motivação interna, o indivíduo se move por um desejo pessoal, por prazer, entretenimento, desafio, satisfação ou curiosidade.

Já a externa, a recompensa vem por meio de bens materiais ou o reconhecimento pelo sucesso alcançado.

Durante um jogo, ao vencer os obstáculos para atingir determinado objetivo, o jogador revela o seu sentimento de conquista e a necessidade de se doar ao máximo para garantir o bom desempenho.

Resumindo, essas duas formas de motivação envolvem muito mais recompensas do que punições.

2. Aprendizado consistente

Gamificação nas empresas: estímulo ao protagonismo dos participantes.Gamificação nas empresas: estímulo ao protagonismo dos participantes.

 

Nos últimos anos, muito tem se falado sobre a relação entre a educação e a gamificação.

Diversos estudos na área da pedagogia apontam para a necessidade de abrir espaço para o protagonismo do educando, transformando-o em agente do seu processo de aprendizagem.

A ideia é que ele possa não apenas assimilar informações, mas também se posicionar como autor, criando e cocriando conteúdo com facilidade.

 Nesse processo, a imersão desse aprendiz em cada tema proposto tem ainda mais relevância.

 Segundo pesquisas da neurolinguística, o envolvimento profundo é um dos critérios utilizados pelo cérebro para detectar o grau de importância de uma informação para que seja memorizada de forma permanente.

 A necessidade de entender para que e por que aprender alguma coisa é respondida pelos jogos de forma mais imediata.

 Para evoluir em um jogo é necessário entender bem o que precisa ser feito. Neste sentido, o aprendizado é contextualizado e tem significado para quem joga.

 As estratégias gamificadas, portanto, propõem um movimento de transferência daquilo que se aprendeu com os jogos para outros contextos da sua vida. Legal, né?

Um exemplo prático são as pessoas que ampliam o seu vocabulário em outras línguas, como o inglês, para poder jogar melhor. 

Esse ganho de vocabulário é algo definitivo e poderá ser aplicado não só no ambiente do jogo, mas também em diferentes momentos da vida.

3. Solução personalizada para necessidades específicas

Gamificação nas empresas: formato deve ser adaptado ao perfil dos participantes. Gamificação nas empresas: formato deve ser adaptado ao perfil dos participantes. 

 

É essencial que as soluções em formato de games levem em conta as demandas de aprendizagem e o perfil dos alunos — caso contrário, todo o engajamento pode ser comprometido.

Na criação de games, por exemplo, é preciso construir uma experiência personalizada.

Para isso, o produtor de um jogo educativo precisa partir de um amplo estudo para conhecer bem o público-alvo da capacitação, alinhando interfaces, estratégias e objetivos.

Mas lembre-se: nem todas as soluções de gamificação nas empresas envolvem plataformas on-line. Alguns cursos podem ser estruturados presencialmente (off-line) com um mediador devidamente preparado, como acontece em jogos de RPG.

4 . Agilidade no processo de capacitação

 

Gamificação nas empresas: como os jogos estão presentes nos treinamentos corporativos.Gamificação nas empresas: como os jogos estão presentes nos treinamentos corporativos.

 

 

Como a falta de tempo é um dos grandes desafios do mundo corporativo, os games costumam ser soluções mais ágeis e assertivas, com foco total nos objetivos.

Além dessa agilidade no aprendizado, a gamificação nas empresas pode identificar com mais facilidade e rapidez as melhorias necessárias para o próximo treinamento.

Outra vantagem de um treinamento por meio de jogos está na redução de custos e na garantia de uma ótima relação custo-benefício para a empresa.

5. Construção de pensamento estruturado

 

Gamificação nas empresas: os simuladores estão entre os jogos aplicados a treinamentos.Gamificação nas empresas: os simuladores estão entre os jogos aplicados a treinamentos.

 

 

O treinamento por gamificação está muito ligado a situações práticas, o que auxilia na ampliação da capacidade de raciocínio e da percepção do participante.

Um jogo costuma trazer uma visão mais sistêmica dos processos e reúne competências envolvidas em determinadas rotinas de trabalho.

Um ótimo exemplo disso são os simuladores, que reproduzem os principais desafios de uma atividade profissional real em ambiente restrito e controlado.

A metodologia de um jogo ressalta o verdadeiro objetivo dos processos de avaliação:  

– diagnosticar os pontos de atenção;

– acompanhar, em detalhes, a forma de aprendizagem de cada participante.

Uma das técnicas utilizadas pelos jogos são as chamadas árvores de decisão. Trata-se de um mapeamento estatístico detalhado sobre causas e consequências de cada tomada de decisão, que permite orientar a resolução de problemas de forma mais eficiente. 

Na prática, durante uma capacitação em formado de jogo o participante consegue perceber melhor o impacto de suas ações ao desenvolver suas atividades no trabalho.

6. Estímulo à inovação

 

Gamificação nas empresas: novas tecnologias e possibilidades de ampliar a aprendizagem.Gamificação nas empresas: novas tecnologias e possibilidades de ampliar a aprendizagem.

 

 

A Realidade Virtual é um exemplo de uma nova interface que aproxima o indivíduo do computador. Ela é capaz de simular a vivência em novos ambientes e estimular diferentes sentidos nos usuários.

A Inteligência Artificial é outra tecnologia que chegou para ficar. Essa interface permite o mapeamento completo de conhecimentos prévios dos usuários a fim de propor atividades e planos de estudos bem personalizados.

Já pensou dar retornos constantes e ter um acompanhamento individual dos educandos e identificar, com clareza, como cada pessoa aprende com mais facilidade?

Além de impulsionar o engajamento, essas tecnologias são capazes de ampliar o senso de pertencimento e potencializar o uso da imaginação.

E aí, como andam os treinamentos na sua empresa?

Na próxima reunião de equipe, que tal apresentar aos gestores um plano de curso utilizando os jogos e a tecnologia?

Bons treinamentos!

Colaboração:

Angélica Kanô, designer de Soluções Educacionais Corporativas do Senac São Paulo.

*Conceito utilizado pelo autor alemão Karl M. Kapp no livro The Gamification of Learning and Instruction: game-based methods and strategies for training and education.